Connect with us

Goiás

“Goiás é celeiro que abastece várias nações do mundo”, diz vice-governador Lincoln Tejota

Published

on

Fala foi durante a entrega da Ferrovia-Norte Sul, em São Simão

DA REDAÇÃO

Representante do governador Ronaldo Caiado, o vice-governador Lincoln Tejota, ao lado do presidente Jair Bolsonaro, participou, nesta quinta-feira (04/03), da inauguração do trecho de 172 quilômetros da Ferrovia Norte-Sul (FNS) e do terminal de transbordo rodoferroviário para transporte multimodal de cargas, em São Simão, no Sudoeste do Estado. O empreendimento foi anunciado no ano passado por Caiado, que não pôde participar do evento devido a um quadro de infecção. “Eu vim trazer um abraço do governador e o presidente sabe do carinho que ele tem por esse projeto”, destacou Tejota. Em Goiás, a estrutura construída em parceria entre as empresas Rumo e Caramuru Alimentos, recebeu investimento de R$ 80 milhões.

A finalização deste trecho da ferrovia vai facilitar o escoamento da produção agrícola goiana e de outras regiões do país. O trecho ficou parado por quase 10 anos. Segundo Bolsonaro, além da parte concluída há previsão de mais obras. “Esse modal ferroviário foi esquecido por décadas. Faltavam 1.500 quilômetros. A previsão é de que, no corrente ano, a Rumo conclua o projeto que vai ligar o Maranhão, Tocantins e Goiás até o Porto de Santos”, afirmou.

Em seu discurso, Lincoln Tejota destacou o potencial agrícola do Estado e os benefícios do terminal de transbordo rodoferroviário para a economia goiana. “Goiás é um celeiro que abastece várias nações do mundo. Com o terminal, toneladas de grãos vão chegar ao Porto de Santos numa velocidade menor e com preço mais competitivo. Isso fortalece nosso agronegócio”, afirmou o vice-governador.

Em seu discurso, Lincoln Tejota disse que, só no ano de 2020, o agronegócio somou em torno de US$ 6,35 bilhões em exportação, “o que representa 78% de toda a comercialização do nosso Estado de Goiás”. Ainda segundo o vice-governador “em 2020, o complexo soja apenas foi responsável por 51,8% do agro em Goiás. Agora, com mais este terminal logístico, a expectativa é que a nossa competitividade aumente”.

O vice-governador destacou que “Goiás é o maior produtor de girassóis do país e possui o segundo maior rebanho de bovinos, com 22,8 milhões de cabeças”. Citou, também, que “somos o terceiro maior produtor de grãos de soja e milho e ocupamos o quarto lugar na produção de leite e algodão. E temos o sexto maior efetivo de suínos do país com 1,9 milhões de animais e também nos destacamos na produção de galináceos tendo o sexto maior plantel entre os estados brasileiros”.

A plataforma será operada pela Rumo, maior concessionária de ferrovias do País com 1.200 locomotivas e 33 mil vagões. Segundo o ministro de Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, o primeiro trem embarcado com direção ao Porto de Santos sai ainda hoje. “Se pudesse resumir o que eu vejo aqui em uma palavra, diria profissionalismo”, afirmou sobre o início da operação. Ele ainda fez menção ao governador como grande “entusiasta” do projeto.

Tarcísio disse que a infraestrutura no País vive uma “revolução”. O resultado disso é o crescimento do potencial brasileiro e a atração de investidores. “Os empresários estão confiando no Brasil, por isso, estão fazendo seus investimentos”, resumiu. Nesse contexto, o ministro ainda mencionou alguns leilões previstos para este ano. Entre eles, está o da BR-153, no trecho que liga Goiás a Tocantins, no dia 29 de abril. E ainda, o leilão do 5G, de 22 aeroportos e da Ferrovia de Integração Oeste-Leste.

A empresa arrematou os tramos central e sul da Ferrovia Norte-Sul em março de 2019, já tendo aplicado investimentos da ordem de R$ 711 milhões. Com duração de 30 anos, o contrato compreende 1.537 quilômetros entre Porto Nacional (TO) e Estrela D’Oeste (SP), que estarão 100% operacionais até o fim de julho de 2021.

O presidente do Conselho de Administração da Caramuru Alimentos, Alberto Borges de Souza, destacou em sua fala alguns dados. A plataforma poderá movimentar mais de 5,5 milhões de toneladas por ano de soja, milho e farelo de soja, o equivalente a 80 mil caminhões por ano. Com seis silos instalados, o terminal terá capacidade de armazenar até 42 mil toneladas de grãos, descarregar cerca de 850 toneladas por hora (o que alcança 20 mil toneladas de cereais por dia) e carregar até 3 mil toneladas por hora nos vagões de transporte. Estrutura que deve gerar mais de 90 empregos diretos na região. “Este é um presente para São Simão, Goiás e o Brasil, fruto de um bom ambiente regulatório, que favorece o empreendedorismo da Rumo e da própria Caramuru. Parabéns ao ministro Tarcísio e ao presidente da República”, afirmou Alberto.

Em 2020, a produção do agronegócio goiano exportou US$ 6,35 bilhões, o equivalente a 78,1% do total comercializado pelo Estado (US$ 8,13 bilhões). O terminal deve acelerar a entrega do que é produzido em Goiás e propiciar a chegada dos grãos até o Porto de Santos, em São Paulo, com preço competitivo no mercado internacional e de forma ágil.

Além disso, o local terá capacidade de receber cargas de outros estados, como Mato Grosso e Minas Gerais. Apesar do terminal estar próximo da fábrica da Caramuru Alimentos, outras empresas que tiverem interesse em direcionar a produção para o Porto de Santo terão a plataforma de transbordo rodoferroviário como opção de alternativa logística.

Também participaram da cerimônia de inauguração o ministro das Comunicações, Fábio Faria; o presidente do Conselho de Administração da Cosan e da Rumo, Rubens Ometto Silveira Mello; o prefeito de São Simão, Assis Peixoto; secretário-geral da Presidência, Onyx Lorenzoni; chefe do gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno; presidente da Cosan, Luis Henrique Guimarães; presidente da Valec, André Kuhn; diretor-geral substituto da ANTT, Alexandre Porto; deputados federais Glaustin da Fokus, João Campos, José Nelto e Magda Mofatto. Além deles, também o secretário executivo da Infraestrutura, Marcelo Sampaio; secretária especial do Programa de Parcerias e Investimentos, Martha Seillier; deputado estadual Cairo Salim; secretário de Estado da Agricultura, Antônio Carlos Neto; secretária de Estado da Economia, Cristiane Schmidt; presidente da Goiás Turismo, Fabrício Amaral.

Goiás

Após três meses, primeira dose da vacina da covid chegou a 14% dos goianienses

Published

on

No que se refere à segunda dose, somente 6,9% dos goianienses receberam o reforço

DA REDAÇÃO

Três meses após o início da vacinação contra a Covid-19 em Goiânia, o município conseguiu aplicar a primeira dose em 14,3% da população. No que se refere à segunda dose, o número é menor: apenas 6,9% dos goianienses receberam o reforço contra o vírus.

Conforme dados da Secretaria Municipal de Saúde de Goiânia (SMS), do total de doses aplicadas, 216.957 são referentes à primeira dose. As outros 104.919 são referentes à segunda dose. A prefeitura informou que 390.803 doses já foram entregues na capital, mas 321.876 já foram aplicadas.

A SMS informou também que o grupo de idosos representa a maior parcela dos vacinados até então. No total, já foram destinadas 157.183 vacinas de primeira dose e 62.749 de segunda dose para pessoas idosas. Trabalhadores da saúde aparecem na sequência, com 56.097 vacinas referente à primeira dose e 41.684 referentes à segunda dose.

Situação nos hospitais

Segundo boletim da SMS atualizado neste terça-feira (20), 84,4% das UTIs da capital estão ocupadas. Nas enfermarias, esse número corresponde a 66%.

Até o momento, Goiânia confirmou 142.055 casos de Covid-19 e 4.219 óbitos pela doença.

Continue Reading

Goiás

À ONU, Caiado pede que Brasil possa produzir princípio ativo da vacina contra Covid

Published

on

Sugestão do governador é que a produção ocorra mediante a pagamento de royalties

DA REDAÇÃO

Em reunião com a Organização das Nações Unidas (ONU), o governador Ronaldo Caiado (DEM) pediu para que o Brasil e outros países sejam autorizados a produzir o ingrediente farmacêutico ativo (IFA) utilizado na vacina contra a Covid-19. A sugestão do democrata é que a produção ocorra mediante a pagamento de royalties. Atualmente, apenas China, Índia, Rússia e Estados Unidos têm permissão para fabricar o princípio ativo.

A reunião ocorreu na última sexta-feira (14), de maneira virtual, e teve a participação da secretária-geral adjunta da ONU, Amina Mohammed, e governadores de outros estados brasileiros.

Na ocasião, o democrata disse que é inadmissível que somente quatro países possam fabricar o ingrediente para bilhões de pessoas.“Isso atrasa demais o processo de vacinação. Por isso a ONU precisa intermediar esse processo e garantir que possamos produzir o IFA mediante o pagamento de royalties”, salientou no encontro.

A secretária-geral Amina Mohammed acenou positivamente à sugestão de Caiado e declarou ser necessária a ação conjunta de todos. De acordo com Marlova Noleto, coordenadora da ONU no Brasil, o país será auxiliado em relação a medicamentos, vacinas e ajuda humanitária. “Vamos intensificar isso”, garantiu.

A ONU também anunciou que vai antecipar ao Brasil o repasse de quatro milhões de doses. Elas devem chegar ainda em abril. Outras quatro milhões de unidades podem vir em maio. Os imunizantes fazem parte do consórcio Covax Facility.

Continue Reading

Goiás

Governo de Goiás quer ampliar o prazo do estado de calamidade

Published

on

Novo decreto deve ser editado, o efeito do anterior terminou no fim de 2020.

O governo enviou à Assembleia Legislativa, um pedido de prorrogação do estado de calamidade em Goiás até 31 de dezembro. Com isso, será possível que o estado use recursos para o combate à pandemia de Covid-19, que recrudesceu nos últimos meses. Na justificativa, consta que há previsão da redução das receitas públicas e que as despesas com medidas para atenuar a crise gerada pela pandemia possam aumentar e que a não prorrogação poderia paralisar consideravelmente o aparto público

Continue Reading

Destaque