Connect with us

Saúde

Coronavac: Estudo aponta eficácia maior do que de dados anteriores

Published

on

Efetividade contra a doença em qualquer intensidade passou de 50,7%, chegando a 62,3% com intervalos maiores entre as doses

DA REDAÇÃO

Um artigo científico em pré-print (ainda sem revisão por pares) aponta que a eficácia da Coronavac contra a covid-19 é maior do que o dado anteriormente divulgado. A chamada eficácia primária, que representa a proteção da vacina contra a doença em qualquer intensidade, passou de 50,38% para 50,7%, chegando a 62,3% com intervalos maiores entre as doses. Contra casos moderados, o imunizante tem eficácia de 83,7%, quando o dado anterior apontava 78%.

As informações constam de artigo elaborado pelos profissionais que conduziram os testes da Coronavac no Brasil, liderados pelo Instituto Butantan. O documento foi submetido para análise da revista científica The Lancet. O estudo avaliou o efeito da vacina em 12,4 mil voluntários em 16 centros de pesquisa no País e teve os primeiros resultados divulgados pelo governo de São Paulo em 7 de janeiro. A vacina começou a ser aplicada nacionalmente no dia 18 de janeiro e a produção pelo Butantan representa a maior parte das doses distribuídas até aqui.

“Esse estudo corrobora o que já havíamos anunciado há cerca de três meses e nos dão ainda mais segurança sobre a efetiva proteção que a vacina do Butantan proporciona. Não resta nenhuma sombra de dúvida sobre a qualidade do imunizante”, afirmou em nota à imprensa Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan.

A análise divulgada neste domingo (11), aponta que os resultados de eficácia podem melhorar se houver um intervalo maior entre as doses. No estudo, a maior parte dos voluntários receberam as vacinas com intervalo de 14 dias dada a urgência para análise do imunizante e necessidade de proteção dos profissionais de saúde.

Os pesquisadores acreditam que um período de 28 dias seja o mais adequado. “Os dados sugerem que é recomendável encorajar intervalos maiores entre as doses, como 28 dias, na implementação da vacina”, escrevem no artigo.

A bula da Coronavac estipula o intervalo para a segunda dose como de 14 a 28 dias, mas a aplicação a partir do 21º já é defendida pelo Butantan desde o mês de janeiro. Um intervalo ainda maior entre as doses chegou a ser cogitado como forma de ampliar a cobertura da vacinação e acelerar a aplicação, o que acabou não sendo implementado. Um intervalo superior a 28 dias não é consenso entre os especialistas diante dos efeitos não estudados sobre a eficácia do imunizante.

Uma outra informação que consta do artigo é que a Coronavac se revelou eficaz na proteção contra as chamadas variantes de preocupação P.1 e P.2 do vírus SARS-CoV-2. “Apesar de as variantes terem várias mutações que são chave para o funcionamento de muitos anticorpos, houve uma neutralização consistente dessas variantes por parte do soro dos participantes que receberam a vacina inativada”, pontuaram os especialistas no documento.

O aumento da circulação da P.1, a chamada variante brasileira, primeiramente identificada em Manaus, é associado à vertiginosa elevação da curva de casos, internações e mortes vista no País a partir de janeiro. No início do ano, a crise em Manaus chegou a afetar o abastecimento de oxigênio, problema que se alastrou pelo Brasil a partir de fevereiro com continuidade em março, o mês mais letal da pandemia até aqui, com 66 mil mortes pela doença.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

Saúde

Ministério da Saúde encontra 100 mil doses de vacina contra a covid 19 estocadas

Published

on

O Ministério da saúde informou nesta quarta-feira (28) que encontrou mais 104 mil doses de Coronavac que estavam armazenadas e fará a distribuição delas.

O Ministério da Saúde informou, ontem, quarta-feira, que encontrou cerca de 100 mil doses de Coronavac em seu estoque. Elas serão encaminhadas, proporcionalmente, aos 26 estados, mais o Distrito Federal. Além destas, será distribuída a nova remessa de imunizante da AstraZeneca/Oxford a partir de hoje, quinta-feira. Segundo a pasta, é normal que algumas doses de vacinas fiquem no estoque para controle de qualidade para que seja distribuída aos poucos. As doses serão despachadas em sua totalidade devido à falta do imunizante em algumas regiões.

Continue Reading

Saúde

Inscritos em concursos públicos terão de apresentar atestados de vacinação contra a covid-19

Published

on

Alguns projetos de lei em tramitação preveem um novo requisito para inscrições em concursos públicos: a vacina contra a covid-19.  

Alguns projetos de lei em tramitação preveem um novo requisito para inscrições em concursos públicos: a vacina contra a covid-19. Na Bahia, por exemplo, um projeto de lei, de autoria do Deputado Alex da Piatã (PSD), prevê que os candidatos comprovem que foram vacinados para que possam se inscrever em concursos do Estado. A comprovação, também, é necessária para quem deseja ingressar em cargos públicos e demais modalidades de prestação ou relação com poderes públicos. O texto foi publicado no Diário Oficial do Estado na última terça-feira, dia 27

Continue Reading

Saúde

Grávidas entram na lista de prioridades para a vacinação contra a covid

Published

on

O documento pede prioridade na vacinação de mulheres grávidas e puérperas que tenham comorbidades na 1ª fase

O Ministério da Saúde decidiu incluir as grávidas e puérperas (mulheres no período pós-parto) no grupo prioritário para receberem a vacina contra a Covid-19, informou a coordenadora do Programa Nacional de Imunização do ministério, Franciele Francinato. Ela disse que a medida foi tomada em razão da situação preocupante da pandemia no Brasil e, visto que, grávidas e puérperas têm risco maior de hospitalização por covid-19. A vacinação deve começar no dia 13 de maio, informou

Continue Reading

Destaque