Presidente defende tratamento precoce contra a covid-19 e critica lockdown dos governadores

_116217827_605651ee-4771-49b7-bf20-d7c579d4bb2d

Em 2020, o STF decidiu que estados e municípios poderiam decidir sobre as medidas de combate à pandemia da covid-19

DA REDAÇÃO

“Vamos buscar alternativas, não vamos aceitar a política do fique em casa, feche tudo, lockdown. O vírus não vai embora. Esse vírus, como outros, vieram pra ficar, e vão ficar a vida toda. É praticamente impossível erradicá-lo”, disse o presidente.

O governo federal vem numa quebra de braço com prefeitos e governadores que defendem restrições nas reaberturas de atividades econômicas. Bolsonaro desde o início da pandemia sustenta a tese de que não deveria fechar todo o comércio no país porque o resultado pode ser danoso para a economia do país, segundo ele.

Na cidade do Sul do país, Bolsonaro esteve acompanhado dos ministros Augusto Heleno, Onyx Lorenzoni e Carlos França.

O presidente, além de ter criticado quem defende o lockdown, também fez um discurso favorável ao tratamento precoce contra o coronavírus.

“Eu não sei como salvar vidas, eu não sou médico, não sou enfermeiro, mas eu não posso escolher a liberdade do médico ou até mesmo do enfermeiro. Ele tem que buscar uma alternativa para isso”, afirmou.

Bolsonaro fez elogios à administração da prefeitura de Chapecó, que também é uma gestão crítica ao lockdown.

“Aqui em Chapecó, no estado de Santa Catarina, que tem um sistema muito organizado, nós podemos ter um exemplo que é possível conciliar a autonomia do médico com a recuperação dos nossos pacientes”, disse.

O presidente comentou sobre a liminar do ministro Nunes Marques que permite que atividades religiosas ocorram nas cidades brasileiras e que os estados e municípios não têm a prerrogativa para decidir sobre esse tema.

“90% da população – um pouco mais – acredita em Deus e, acreditando em Deus, eu espero que, daqui a pouco, como está previsto o Supremo Tribunal Federal julgar a liminar do ministro Kássio Nunes, ou que a liminar seja mantida ou que alguém peça vistas para que nós possamos discutir um pouco mais a abertura ou não de templos religiosos”, ponderou.

O chefe do Executivo brasileiro voltou a dizer que o Exército não vai se envolver a favor de decisões dos governadores para manter as pessoas em casa.

“O nosso Exército brasileiro não vai a rua para manter o povo dentro de casa”, concluiu.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quer enviar um recado?

Em breve você poderá enviar os seu recado por aqui. Por enquanto, fale conosco pelo WhatsApp!