Connect with us

Brasil

Embaixadores visitam laboratório de investigação criminal na Amazônia

Published

on

Viagem liderada pelo vice-presidente da República mostra o trabalho do Governo de preservação na região a outros países

DA REDAÇÃO

Pelo segundo dia, representantes do Governo Federal estão no estado do Amazonas para mostrar a embaixadores de outros países a realidade amazônica e as ações implementadas para preservar a região. Esse é o objetivo da viagem liderada pelo vice-presidente da República e presidente do Conselho Nacional da Amazônia, Hamilton Mourão, que se iniciou, na quarta-feira (4), às cidades da Amazônia Legal.

Participam da missão alguns ministros brasileiros e diplomatas estrangeiros de diversos países. São eles: África do Sul, Espanha, Peru, Colômbia, Canadá, Suécia, Alemanha, União Europeia, Reino Unido, França e Portugal, além da Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA).

“A nossa finalidade aqui é deixá-los livres para que eles enxerguem, com os próprios olhos, o que está acontecendo na Amazônia”, ressalta Hamilton Mourão.

E, nesta quinta-feira (5), em Manaus, a equipe visitou o laboratório modelo de investigação de crime ambiental, que fica na sede da Superintendência da Polícia Federal. Também conheceu a Flotilha da Amazônia, que é a força distrital da Marinha do Brasil; e o Encontro das Águas, que acontece na confluência entre o rio Negro, de água preta, e o rio Solimões, de água barrenta. No local, considerado uma das principais atrações turísticas da cidade de Manaus, as águas dos dois rios correm lado a lado sem se misturar.

Assentamento que deu certo

O grupo também foi conhecer, de perto, o Projeto Integrado de Colonização Bela Vista, coordenado pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

Segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, o projeto abriga famílias assentadas em uma área de aproximadamente 785 mil hectares, ocupada desde 1971. Atualmente, dos 1.311 lotes georreferenciados, 446 já receberam o título definitivo. Ao apresentar o projeto aos embaixadores, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, destacou a importância da ação.

“É a importância de um assentamento que deu certo. Então, a gente vê que quando a regularização chega logo, as pessoas têm condições de tomar crédito, de gerir sua propriedade e de gerar riquezas, não só para o município, mas também para o estado e as famílias”, explica Tereza Cristina.

Hamilton Mourão voltou a defender a importância da regularização fundiária para trazer desenvolvimento e preservação ambiental para a Amazônia Legal.

“Hoje, o Ministério da Agricultura e o Incra estão aí se preparando para, usando o sensoriamento remoto e obedecendo a legislação hoje ainda em vigor, que prevê que até 4 módulos fiscais você pode regularizar por este tipo de processo, avançar o mais rápido possível”, afirma o vice-presidente.

Por último, a missão liderada pelo vice-presidente da República visitou o Comando Militar da Amazônia. A viagem ocorre até amanhã (6) e também vai passar pelas cidades de São Gabriel da Cachoeira e Maturacá, todas no estado do Amazonas.

Primeiro dia de viagem

No primeiro dia de viagem, foi feito um sobrevoo ao longo da BR-163 “Eles verem com os próprios olhos que a construção de uma rodovia não significa a destruição da floresta”, disse Hamilton Mourão.

Também na quarta-feira (4), na capital do estado do Amazonas, o vice-presidente da República guiou a equipe de diplomatas numa visita ao zoológico do Centro de Instrução de Guerra na Selva (CIGS) e ao Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (Censipam).

Fonte: www.gov.br

Clique para comentar

Deixe uma resposta

Brasil

Fiocruz deve liberar mais 4,7 milhões de vacinas nesta semana

Published

on

A previsão faz parte de um total de 18,4 milhões de doses da Oxford/AstraZeneca previsto para até o dia 1º de maio

DA REDAÇÃO

A Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) deve liberar nesta semana mais 4,7 milhões de doses da vacina Oxford/AstraZeneca ao Programa Nacional de Imunizações, do Ministério da Saúde. A previsão faz parte de um total de 18,4 milhões de doses previsto para até o dia 1º de maio.

Na semana passada, o Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos Bio-Manguinhos entregou 2,2 milhões de vacinas na quarta-feira (14) e 2,8 milhões na sexta-feira (16), totalizando 5 milhões de vacinas entregues na semana. “O cronograma de entregas pactuado com o Ministério da Saúde continua seguindo o esquema de entregas semanais e está sujeito à logística de distribuição definido pela pasta”, afirma o instituto.

Na próxima semana, serão entregues 6,7 milhões, de 26 de abril a 1º de maio.

O cronograma da Fiocruz prevê que 100,4 milhões de doses serão produzidas em Bio-Manguinhos até julho, a partir de IFA (ingrediente farmacêutico ativo) importado da China. Mas a partir de agosto, a Fiocruz também deve começar a produzir de IFA para vacinas contra covid-19.

A produção da vacina em Bio-Manguinhos ocorre graças a um contrato de encomenda tecnológica assinado no ano passado com os desenvolvedores da vacina: a farmacêutica anglo-sueca AstraZeneca e a Universidade de Oxford, no Reino Unido.

Para os próximos meses, a Fiocruz prevê entregar 21,5 milhões de doses em maio, 34,2 milhões em junho e 22 milhões em julho. Para produzir essas vacinas, Bio-Manguinhos conta com a chegada de carregamentos de IFA vindos da China.

A Fiocruz também trabalha para incorporar a tecnologia de produção do IFA à planta industrial de Bio-Manguinhos e prevê que, no segundo semestre, será possível entregar 110 milhões de doses a partir de ingrediente farmacêutico ativo produzido na própria instituição.

Dessa forma, o Programa Nacional de Imunizações deve receber, até o fim do ano, 210,4 milhões de doses da vacina Oxford/AstraZeneca produzidas no Brasil, além de 12 milhões de doses importadas da Índia.

Distribuição

O Ministério da Saúde distribuiu mais 6,3 milhões de doses aos estados e ao Distrito Federal neste fim de semana. A remessa será utilizada para a vacinação de idosos entre 60 a 69 anos, trabalhadores da saúde e forças de segurança, além de aplicação da segunda dose em quem já recebeu a primeira.

Dos 6,3 milhões de imunizantes, 3,8 milhões doses são da vacina de Oxford/AstraZeneca, produzida pela Fiocruz, e 2,5 milhões são da CoronaVac, produzida pelo Instituto Butantan. Todas as doses foram produzidas com matéria-prima importada.

Segundo o ministério, o governo federal já disponibilizou aos estados cerca de 53,4 milhões de doses desde o início da campanha de vacinação contra covid-19, em 18 de janeiro. Até agora o Brasil registrou 32,4 milhões de doses aplicadas.

Continue Reading

Brasil

Butantan recebe insumo para produção de mais 5 milhões de doses da CoronaVac

Published

on

Com esse lote de matéria-prima, o instituto deve completar 46 milhões de doses da vacina negociadas com o governo federal até o fim de abril

DA REDAÇÃO

O Instituto Butantan recebeu, na manhã desta segunda-feira, 19, mais três mil litros de insumo farmacêutico ativo (IFA), a matéria-prima da vacina CoronaVac. A quantidade do material fornecido pela farmacêutica Sinovac é necessária para produção de mais cinco milhões de doses do imunizante. O voo com o insumo chegou ao Aeroporto Internacional de Guarulhos vindo de Pequim, na China, às 6h15. Com esse lote, que estava previsto inicialmente para o dia 8 de abril, o Butantan deve completar 46 milhões de doses da vacina negociadas com o governo federal até o fim de abril. Após o atraso, o envase do imunizante tinha sido suspenso.

Mais um lote de IFA deve chegar nos próximos dias para iniciar a produção dos outros 54 milhões de doses já acordados com o Ministério da Saúde até setembro. Segundo o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, as vacinas a partir do IFA que chegou hoje vão começar a ser produzidas imediatamente. “Estamos trabalhando com o governo chinês para agilizar a chegada de matéria-prima. O ciclo de produção é de 15 dias e hoje já entra em produção. A partir do dia 3 de maio, voltamos a entregar vacinas novamente.” Até o momento já foram entregues 41,4 milhões de doses da CoronaVac. A previsão, em contrato, é de 100 milhões de doses neste ano.

Continue Reading

Brasil

Bolsonaro diz que cronograma da Fiocruz prevê entrega de 18 milhões de doses de vacinas em abril

Published

on

Governo federal projeta aumento no volume de repasses nos próximos meses: 21,5 milhões em maio, 34,2 milhões em junho e 22 milhões em julho

DA REDAÇÃO

Por meio de sua conta no Twitter, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) anunciou que, até o final deste mês, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) terá entregue 18 milhões de doses da vacina de Oxford. Essa conta contempla as 7 milhões de doses recebidas entre o dia 1º de abril e este domingo, 17. “Ao longo do mês de abril, o cronograma da Fiocruz prevê a entrega de 18 milhões de vacinas. Na próxima semana, serão mais 4,7 milhões. Entre 26 de abril e 1º de maio, 6,7 milhões de doses devem chegar ao PNI [Plano Nacional de Imunização]”, disse Bolsonaro. O governo federal projeta aumento no volume de entregas da fundação de vacinas contra a Covid-19 nos próximos meses: 21,5 milhões em maio, 34,2 milhões em junho e 22 milhões em julho.

A partir do segundo semestre, a Fiocruz começará a produzir a vacina de Oxford com o IFA (ingrediente farmacêutico ativo) fabricado no Brasil. Trata-se da matéria-prima da vacina, responsável pela defesa do organismo contra o vírus. Para produzi-lo, é necessário multiplicar uma cepa do coronavírus (ou do adenovírus, oriundo de chimpanzé) em quantidade suficiente para a fabricação de um lote de imunizante. De acordo com o Ministério da Saúde, o país já recebeu 53 milhões de doses e aplicou 35 milhões.

“O governo federal tem se empenhando muito. Recentemente, nós conseguimos a antecipação de 15 milhões de doses da vacina da Pfizer, que chegarão até junho. Agora para maio, conseguimos, por meio do consórcio internacional Covax Facility, mais 4 milhões de doses. Estamos avançando, mas precisamos da união de todos”, disse o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. “O objetivo é trazer vacinas. Seja da Pfizer, seja da Astrazeneca, seja da Coronavac. Enfim, vacinas para vacinar a população brasileira.”

Continue Reading

Destaque