Ferrovia continua subutilizada, três anos depois da inauguração

Até hoje, apenas dois transportes de cargas foram realizados no trecho entre Anápolis e Porto Nacional, no Tocantins

junho 10, 2017

Inaugurada pela ex-presidente Dilma Rousseff no dia 22 de maio de 2014, portanto, há pouco mais de três anos, o trecho de 855 quilômetros da Ferrovia Norte Sul entre Anápolis e Palmas, no Tocantins, continua subutilizado, causando prejuízos de valores incalculáveis para o sistema de transporte do País e sem perspectivas de curto e médio prazos para que comece a operar com regularidade.

Nestes três anos depois de sua inauguração, apenas dois transportes de cargas foram realizados no trecho entre Anápolis e Porto Nacional, o primeiro em fevereiro de 2015, quando 18 locomotivas transportaram 26 mil toneladas de farelo de soja, produzidos pela unidade da Granol que funciona no DAIA, e outro de 13 mil toneladas de madeira triturada, em dezembro do ano passado. A informação é da Valec, a estatal que tem a concessão para explorar o trecho, revelando que outros carregamentos estão programados para este ano.

“A falta de uma regulamentação clara e a indefinição de um modelo operacional, agravadas com a crise política e financeira deixam o meio empresarial inseguro para investir na Ferrovia Norte-Sul”, sintetizou o ex-superintendente do Porto Seco, Edson Tavares, um dos poucos especialistas em logística e transporte de cargas em Anápolis. Ele aponta, também, como fatores que afastam a demanda dessa malha ferroviária, a falta de uma definição sobre o direito de passagem, nos trechos depois de Porto Nacional até o Porto de Itaqui, no Maranhão, operados por mais de uma concessionária.

DIREITO DE PASSAGEM

“Hoje, para se chegar ao Porto de Itaqui, é necessário negociar o direito de passagem com diferentes concessionárias”, acrescentou Edson Tavares afirmando que mesmo sem estar em operação o trecho entre Anápolis e Palmas tem um custo de pessoal e de manutenção de mais de R$ 4 milhões por ano. Segundo ele, a própria Valec admite este gasto e reconhece ainda não ter uma empresa operando no trecho.

“Por todos estes motivos, não vejo perspectiva de funcionamento normal deste trecho em curto prazo”, lamenta Edson Tavares, afirmando que a falta de uma clara definição sobre o direito de passagem acaba encarecendo o custo do frete ferroviário, retirando sua competitividade em elação ao transporte rodoviário. Segundo ele, nessa situação o custo ferroviário acaba não compensando por conta do monopólio dado às concessionárias de outros trechos, que só permitem a passagem se a considerarem um negócio conveniente. “Esse é outro ponto de incerteza que torna a ferrovia inviável para investir”, disse Edson Tavares reiterando que a falta de um modelo de negociação claro é hoje unanimidade entre os possíveis investidores, todos temerosos com os riscos de investir na malha.

Edson Tavares colocou a reportagem em contato com o presidente da Frente Nacional pela Volta das Ferrovias (Ferro Frente), José Manoel Ferreira, que endossou todas as críticas feitas pelo ex-superintendente do Porto Seco sobre as dificuldades de se colocar o trecho entre Anápolis e Palmas para funcionar. Ele afirmou que por estar ocioso só este trecho da Ferrovia provoca uma perda anual de R$ 1 bilhão, segundo José Manoel, um valor que considera a diferença entre o frete ferroviário e a produção prevista pelo governo federal em toneladas por quilômetro útil.

“Nós queremos uma ferrovia que integre o País” disse José Manoel revelando que a entidade que preside defende um sistema de concessão horizontal, de forma que vários grupos tenham acesso à Norte Sul e não apenas grandes grupos, que, em sua opinião agem por interesses próprios. Segundo ele, na MP 752 aprovada recentemente pelo Congresso e já encaminhada para a sanção presidencial não há essa garantia. “Além disso, ela faz doações de bens públicos, aumentando ainda mais o prejuízo”, acrescentou o presidente da Ferro Frente revelando que, por estas razões, a entidade entrou com uma ação no STF para evitar que a MP 752 vire lei.

Texto Extraído: Jornal Contexto de Anápolis

You may be interested

Saneago anuncia nova interrupção de abastecimento de água em Anápolis
Anápolis
81 visualizações
Anápolis
81 visualizações

Saneago anuncia nova interrupção de abastecimento de água em Anápolis

Wendell Vieira - julho 19, 2017

A Saneago informa que, nesta quarta-feira (19), serão realizadas três manutenções na adutora Piancó, para retirada de dois vazamentos na…

Convalidação de incentivos fiscais é aprovada no Senado
Brasil
14 visualizações
Brasil
14 visualizações

Convalidação de incentivos fiscais é aprovada no Senado

Wendell Vieira - julho 19, 2017

Matéria, agora, segue para sanção presidencial. Estados poderão continuar com suas políticas de atração de investimentos Senado aprovou na última…

Mais rapidez para tratar o câncer
Anápolis
52 visualizações
Anápolis
52 visualizações

Mais rapidez para tratar o câncer

Wendell Vieira - julho 19, 2017

Anápolis conta com mais um dispositivo legal para reforçar o amparo imediato aos pacientes portadores da doença O Município de…

Leave a Comment

Your email address will not be published.